Eu recosto-me na minha cadeira e ponho um cigarro nos lábios para calar o meu monólogo. Resolvo pensar em forma de palavra escritas e chego-me ao teclado.
Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2006
O Tornado

tornado1.jpg

O tornado chega sem anunciar, vento duro rosna pela cidade. O lixo voa em direcção ao céu como preces imundas cheias de cores sombrias e angústia. A casa torna-se ruína, os telhados aleijados pelos objectos que embatem e fustigam tornam-se numa nuvem de vermelho esbatido. O meu quarto fica embriagado pelas projecções do exterior que irrompem pelo tecto. Procuramos abrigo entre destroços que rodopiam sem sentido, senil de conteúdo o descampado de metal retorcido acolhe os sobreviventes. Algo bate pela terra e o chão cai em silêncio pela devastação. Saqueada de folhas a grande arvore termina o seu bailado e a cidade sai dos esconderijos enfeitados pela desordem e caos.



publicado por Blogarto às 23:42
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Anónimo a 27 de Fevereiro de 2006 às 23:16
Andas a ver muitos filmes ou televisão! Gostas de viajar? Tens muita imaginação e sabes escrever. tens é de começar a ver e descrever as coisas boas da vida. Deixa o alcool e bebe sumo. Um abraçotótó é meu
</a>
(mailto:jocadusi@hotmail.com)


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Escrever

Ácido Dócil

Estrada

Noite

O Tornado

A Distante

Pactos

Uivos de silêncio profund...

Requiem para um amor

blogs SAPO
subscrever feeds